Meu filho quer um animal de estimação. E agora?

Meu filho quer um animal de estimação. E agora?

Meu filho quer um animal de estimação. E agora?

Crianças costumam amar animais. E, quando elas cismam que querem um cão ou um gato em casa, não há quem tire a ideia da cabeça delas! Você tem filhos e está passando por esse dilema?
Conversamos com a veterinária Janaína Biotto e com o psicólogo Breno Rosostolato para te ajudar a lidar com a situação e explicar aos filhos os cuidados necessários e a responsabilidade de ter um animalzinho em casa. Confira!
Como escolher o novo integrante da família
Quando o caso é de adoção, costuma-se dizer que o animal escolhe o dono e não o dono que escolhe o animal por questão de afinidade e reconhecimento no primeiro contato. Porém, é preciso ficar atenta a alguns detalhes para que o novo integrante da família tenha suas necessidades supridas no seu lar. “Cães, por exemplo, são mais sociáveis e gostam muito mais de fazer companhia e atividades físicas, então, combinam com famílias mais ativas e que tenham espaços um pouco maiores. Já para aqueles que moram em apartamentos pequenos e não têm tempo para levar seu pet para passear, os gatos são companheiros perfeitos e podem se tornar ótimos amigos”, explica a veterinária.
Dividindo responsabilidades
O convívio com animais é muito saudável para o crescimento e o amadurecimento das crianças, podendo inclusive preencher lacunas afetivas pela ausência dos pais que trabalham o dia inteiro e de irmãos, caso sejam filhos únicos. Ter um amiguinho que depende delas pode ser fundamental para a criação das noções de responsabilidade e respeito ao próximo. Por isso, é de extrema importância que os cuidados do animal sejam partilhados entre pais e filhos. “Os pais devem ressaltar que o animal precisa de atenção, pois não sabe fazer algumas coisas sozinho, como alcançar a ração ou tomar banho”, enfatiza o psicólogo. Por meio de uma conversa clara e objetiva, regras e funções devem ser estipuladas, demonstrando para a criança quando e como ela deve executar suas tarefas em relação ao animal.
Ele chegou. O que fazer?
Tanto cães como gatos precisam de cuidados do começo ao fim da vida. Segundo Janaína, logo que um animal é adotado, ele deve ser levado para uma consulta de rotina com um médico veterinário, que irá te orientar sobre a alimentação, os cuidados com a pele e pelagem e dar dicas sobre como educar e prevenir futuras doenças. Isso deve incluir vacinação, vermifugação, proteção contra pulgas e carrapatos e outros cuidados básicos.
E se eu não quiser um animal?
Ter um animal em casa mudará a rotina de todos os integrantes da família e, portanto, requer total aceitação. Se você não concorda e não quer, isso deve ser explicado claramente à criança. “Assim como ter um animal em casa requer concordância de todos, não ter também precisa de diálogo”, aconselha o psicólogo.  Os pais devem ser firmes ao dizer que aquele não é o momento apropriado para a chegada de um animalzinho na família e ressaltar as dificuldades de cuidar do mesmo. Caso haja uma futura possibilidade, diga também que um cão ou um gato pode fazer parte dos planos futuros da família, mas que isso deverá acontecer após uma preparação e com a participação de todos. Por fim, tente entender quais são os reais motivos de a criança querer tanto um bicho de estimação e procure acolher os conflitos da criança.
Consultoria: Janaína Biotto – médica veterinária e diretora do Vila Chico Pet Hotel (www.vilachicopethotel.com.br)

Leave a Reply

Your email address will not be published.